24 de julho de 2008

Capital: a contradição viva.

Trecho do livro de István Mészáros, "O desafio e o fardo do tempo histórico", pág. 86:
"4.1 Capital: a contradição viva
4.1.1
Independentemente das alegações da atual "globalização", é impossível existir universalidade no mundo social sem igualdade substantiva. Evidentemente, portanto, o sistema do capital, em todas as suas formas concebíveis ou historicamente conhecidas, é totalmente incompatível com suas próprias projeções - ainda que distorcidas e estropiadas - de universalidade globalizante.
E é enormemente mais incompatível com a única realização significativa da universalidade viável, capaz de harmonizar o desenvolvimento universal das forças produtivas com o desenvolvimento abrangente das capacidades e potencialidades dos indivíduos sociais livremtene associados, baseados em suas aspirações conscientemente perseguidas.
A potencialidade da tendência universalizante do capital, por sua vez, se transforma na realidade da alienação desumanizante e na reificação. "

Nenhum comentário: