31 de julho de 2012

"Coronelismo"

Nenhum comentário:
Clássicos não perdem a atualidade. Mesmo quando as condições históricas mudam, os clássicos são capazes de deixar marcas indeléveis na formação de um povo. No caso do livro Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil, de Victor Nunes Leal, muitas questões ali colocadas persistem na realidade política brasileira. 
Um livro que eu aconselho a leitura. 

Um trecho:


"O fenômeno de imediata observação para quem procure conhecer a vida política no interior do Brasil é o malsinado 'coronelismo'. [...]
Como indicação introdutória, devemos notar, desde logo, que concebemos o 'coronelismo' como resultado da superposição de formas desenvolvidas do regime representativo a uma estrutura econômica e social inadequada.
[...] Por isso mesmo, o 'coronelismo' é sobretudo um compromisso, uma troca de proveitos entre o poder público, progressivamente fortalecido, e a decadente influência social dos chefes locais, notadamente dos senhores de terra. 
[...] Desse compromisso fundamental resultam as características secundárias do sistema 'coronelista', como sejam, entre outras, o mandonismo, o filhotismo, o falseamento do voto, a desorganização dos serviços públicos locais. 
[...] Os chefes políticos municipais nem sempre são autênticos 'coronéis'. A maior difusão do ensino superior no Brasil espalhou por toda a parte médicos e advogados, cuja ilustração relativa, se reunida a qualidades de comando e dedicação, os habilita à chefia. Mas esses mesmo doutores, ou são parentes, ou afins, ou aliados políticos dos 'coronéis'."

 LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. - 7ª edição - São Paulo: Companhia das Letras, 2012, p. 43-45.

Mandonismo, falseamento do voto, "doutores" servindo aos "coronéis", serviços públicos ruins, favorecimentos, voto de cabresto...Tudo o que vemos em muitas cidades brasileiras, em pleno século XXI. Somados ao financiamento privado das campanhas, corrupção, "caixa dois", o papel da grande mídia a favorecer os candidatos que defendem seus interesses.